Childstories.org Logo
Menu
Childstories.org Logo
  • 1
  • Contos bonitas
    para crianças
  • 2
  • Ordenado por
    tempo de leitura
  • 3
  • Perfeito para
    ler em voz alta
As botas de búfalo
Grimm Märchen

As botas de búfalo - Contos de fadas dos Irmãos Grimm

Tempo de leitura para crianças: 11 min

Um soldado que não tem medo de nada, nunca se preocupa com nada. Um indivíduo desses foi dispensado e, como não tinha aprendido a fazer nada, não conseguia ganhar coisa alguma, e ia perambulando de cá para lá e pedindo à boa gente a caridade de uma esmola. O soldado usava um velho capote e conservava ainda as botas de couro de búfalo que recebera no exército. Certo dia, andava ele através dos campos, sem rumo definido, e foi andando, andando, até que chegou a uma floresta. O lugar era-lhe completamente desconhecido, mas não se importava com isso; eis que, sentado no tronco de uma árvore caída, viu um homem muito elegante, trajando um fato verde de caçador. Aproximou-se-lhe, estendeu-lhe a mão, sentou-se junto dele e espichou as pernas. Depois, disse ao desconhecido:

– Noto que usas botas finas e polidas! Mas se tivesses de andar de cá e de lá, como eu, certamente não resistiriam muito. Olha para as minhas: são de couro de búfalo e já prestaram bons serviços, contudo ainda pisam bons e maus caminhos! Depois de ter descansado um pouco, o soldado levantou-se e acrescentou:

– Não posso demorar-me, a fome me obriga a andar. Sabes porventura aonde vai dar este caminho, Senhor Botalustra? – Não sei, não, – respondeu o caçador; – eu mesmo estou extraviado aqui nesta floresta. – Então estamos nas mesmas condições, – retrucou o soldado; – Deus faz o homem e depois o junta; sendo assim, fiquemos juntos e vamos procurar o nosso caminho. O caçador sorriu, imperceptivelmente, e juntos prosseguiram o caminho. Andaram sem parar até cair a noite. – E não saímos da floresta, – disse o soldado; – mas estou vendo uma luz brilhando lá ao longe; quem sabe se encontraremos algo para comer! Dirigiram-se para o local onde brilhava a luz e deram com uma casa de pedra; bateram à porta e uma velha apareceu no limiar. – Estamos procurando abrigo para esta noite, – disse-lhe o soldado, – e um pouco de lastro para o bojo do estômago, porquanto o meu está tão vazio como um saco. – Aqui é impossível abrigar-vos, – respondeu a velha; – esta casa pertence a um grupo de bandidos; o melhor que tendes a fazer, é tratar de sumir quanto antes, pois se eles vierem e vos encontrarem aqui, estais perdidos. – Certamente não são o diabo em pessoa! – retorquiu o soldado; – há dois dias que não como nada e tanto me faz morrer aqui como arrebentar de fome na floresta. Vou entrar, não tenho medo. O caçador, porém, hesitava e não queria segui-lo, mas o soldado puxou-o pela manga do casaco e arrastou-o para dentro da casa, dizendo:

– Vem, coraçãozinho, tens medo acaso que nos liquidem tão já? A velha compadeceu-se deles e disse:

– Escondei-vos atrás do fogão; se sobrar alguma coisa do jantar deles, logo que se forem deitar, eu vô-la trarei aqui. Mas, apenas acabavam de esconder-se no cantinho indicado, os doze bandidos irromperam pela casa dentro e, fazendo uma algazarra infernal, sentaram-se à mesa e pediram o jantar. A velha serviu-lhes um enorme assado, que os bandidos devoraram sofregamente. O delicioso aroma da comida chegou ao nariz do soldado, que não se pôde conter e exclamou:

– Não aguento mais; vou sentar-me lá com eles e encher o estômago. – Estás louco? – sussurrou o caçador; – queres que te matem? – e tentou segurá-lo pelo braço. Mas o soldado teve um acesso de tosse e os bandidos ouviram; então, largando facas e garfos, pularam e descobriram os dois refugiados atrás do fogão. – Ah, senhores, – exclamou um deles: – estais aí no cantinho? Que vindes fazer nesta casa? Alguém vos mandou espionar o que fazemos? Pois bem, já aprendereis como se voa na ponta de um galho seco! – Bem, bem; tenham modos! – disse o soldado; – estou morto de fome; dai-me antes de mais nada um pouco de comida, depois fazei de mim o que vos aprouver. Os bandidos estacaram surpresos, ante tamanha calma, e então o chefe do bando disse:

– Pelo que vejo, não tens medo! Pois bem, terás a comida que quiseres, mas em seguida, não escaparás da morte. – Veremos! – disse o soldado. Sentou-se à mesa e atacou valentemente o assado. – Ó compadre Botalustra, vem comer! – gritou ele ao caçador. – Certamente estás com tanta fome como eu e em casa duvido que encontres um assado tão bom como este! O caçador, porém, não aceitou o convite. Os bandidos, estupefatos, olhavam para o soldado e diziam entre si:

– Esse tipo não faz cerimônias! Daí a pouco, o soldado disse-lhes:

– A comida me agradou muito; deem-me agora um copinho do bom! O chefe do bando, que excepcionalmente estava de bom humor, gritou à velha:

– Vai à adega buscar uma garrafa, e do melhor! O soldado fez saltar a rolha bem alto, chegou para o caçador ostentando a garrafa e lhe disse:

– Agora fica bem atento, amigo, pois vais ver maravilhas. Antes de tudo vou fazer um brinde à toda a companhia. Empunhou a garrafa e, brandindo-a à altura das cabeças dos bandidos, disse-lhes:

– A vossa saúde! Laventai o braço direito para o alto e abri bem a boca! – e sorveu um largo trago. Tendo pronunciado aquelas palavras, os bandidos quedaram-se todos imóveis, com o braço direito estendido para o ar e a boca aberta; então o caçador disse ao soldado:

– Vejo que és entendido em mágicas; mas agora, vem daí, vamos para casa. – Oh, meu coração, seria levantar o cerco muito depressa; batemos o inimigo, agora cuidemos do saque. Ei-los todos grudados nos seus lugares como que petrificados, de boca aberta e braço erguido e não se poderão mexer enquanto eu não o permitir. Vem, coração, come e bebe à vontade! A velha teve de trazer mais uma garrafa de vinho e o soldado não saiu da mesa senão após ter comido o suficiente para três dias. Finalmente, ao despontar do sol, disse:

– Está na hora de levantar acampamento; para encurtar a marcha, a velha tem de nos ensinar qual o caminho mais curto que vai ter à cidade. Assim que chegou à cidade, foi procurar os antigos camaradas e disse-lhes:

– Achei no meio da floresta um ninho de pássaros próprios para a forca; acompanhai-me, vamos desaninhá-los. Assumindo o comando do grupo de soldados, o nosso valentão disse ao caçador:

– Vem conosco, assim poderás ver como se espojam quando os pegarmos pelos pés! Foram todos para a floresta, o soldado postou os seus homens em volta dos bandidos, pegou a garrafa e tomou um bom gole; depois, brandindo-a sobre as cabeças deles, disse:

– A vossa saúde! No mesmo instante, os bandidos recuperaram os movimentos, mas foram imediatamente derrubados ao chão e, em seguida, amarraram-lhes os pés e as mãos com fortes cordas. Depois o soldado deu ordem para que fossem atirados como sacos dentro do carro. – Levai-os, diretamente, para a cadeia. Nisso o caçador chamou de lado um deles e sussurrou-lhe qualquer coisa. – Compadre Botalustra, – disse-lhe o soldado, – além de surpreender os bandidos todos, na toca, ainda nos abarrotamos de boa comida; agora, formar fila e marchar, tranquilamente, como fazem os retardatários. Quando estavam chegando, o soldado viu uma enorme multidão, um aglomerado de gente que vinha saindo pela porta da cidade. Bradavam todos cheios de júbilo e agitavam ramos verdes. E viu que a guarda nacional, em perfeita formação, também se aproximava. – Que significa isto tudo? – perguntou ele muito admirado ao caçador. – Ignoras certamente, – respondeu este, – que o rei há muito se achava fora do reino. Hoje ele está voltando para o seu povo, por isso todos lhe vão ao encontro jubilosos! – Mas, onde está o rei? – perguntou o soldado, – não o estou vendo! – Ei-lo aqui; – respondeu o caçador apresentando-se. – O rei sou eu e mandei que anunciassem a minha chegada. Falando assim, abriu a túnica de caçador e mostrou por baixo dela a roupa real. O soldado ficou estarrecido; caiu de joelhos e pediu perdão quase chorando, pois na sua ignorância o havia tratado como a um igual e, ainda por cima, lhe havia aplicado aquele apelido de Botalustra! O rei, sorrindo, estendeu-lhe a mão e disse:

– Tu és um bravo soldado e me salvaste a vida. Daqui por diante, não passarás mais necessidades, eu cuidarei de ti. E se alguma vez quiseres comer um bom assado, tão bom como aquele dos bandidos, podes pedi-lo sem cerimônia às cozinhas reais. Mas, se pretendes fazer um brinde igual àquele, passa antes na minha sala e pede-me licença!

Leia outro conto de fadas curto (5 min)

Informação para análise científica


Estatísticas de contos de fadas
Valor
NúmeroKHM 199
Aarne-Thompson-Uther ÍndiceATU Typ 952
Traduções english deutsch
Índice de legibilidade de acordo com Björnsson35.6
Flesch-Reading-Ease Índice32.2
Flesch–Kincaid Grade-Level12
Gunning Fog Índice15.5
Coleman–Liau Índice10.4
SMOG Índice12
Índice de legibilidade automatizado6.6
Número de Caracteres8.213
Número de Letras6.370
Número de Sentenças102
Número de Palavras1.429
Média de Palavras por frase14,01
Palavras com mais de 6 letras308
percentagem de palavras longas21.6%
Número de Sílabas2.710
Média de Sílabas por palavra1,90
Palavras com três sílabas359
Percentagem de palavras com três sílabas25.1%

Fontes de imagens: © Andrea Danti / Shutterstock

Perguntas, comentários ou relatórios de experiência?

Os melhores contos de fadas

Direito autoral © 2022 - Todos os direitos reservados | Sobre nós | Proteção de dadosApoiado por childstories.org

Keine Internetverbindung


Sie sind nicht mit dem Internet verbunden. Bitte überprüfen Sie Ihre Netzwerkverbindung.


Versuchen Sie Folgendes:


  • 1. Prüfen Sie Ihr Netzwerkkabel, ihren Router oder Ihr Smartphone

  • 2. Aktivieren Sie ihre Mobile Daten -oder WLAN-Verbindung erneut

  • 3. Prüfen Sie das Signal an Ihrem Standort

  • 4. Führen Sie eine Netzwerkdiagnose durch